Notícias & Entretenimento

Notícias/Lençóis Paulista

VEREADOR SOFRERÁ PROCESSO DISCIPLINAR POR SUPOSTA OFENSA AS SERVIDORAS DA SAÚDE DO POSTO JARDIM UBIRAMA

Pedido de processo partiu das servidoras do posto de saúde do jardim Ubirama, em que um vereador supostamente se desentendeu com elas, em virtude da suposta solicitação de um atend

VEREADOR SOFRERÁ PROCESSO DISCIPLINAR POR SUPOSTA OFENSA AS SERVIDORAS DA SAÚDE DO POSTO JARDIM UBIRAMA
IMPRIMIR
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

Em votação unanime, os vereadores aprovaram nesta segunda-feira, 20, pedido de abertura de processo de cassação contra o vereador Valdevino Miguel Barbosa (PSC). Não votaram o presidente da casa, Jucimário Cerqueira dos Santos, o Bibaia, que só vota em caso de empate e o vereador denunciado Valdivino Miguel.

 

O pedido de abertura de processo disciplinar foi impetrado na câmara municipal, pelas servidoras do Posto de Saúde do Jardim Ubirama, que supostamente, teriam sido agredidas verbalmente pelo vereador no dia 6 de abril, no caso que ficou conhecido por envolver uma servidora, aliada do prefeito, que teria ligado no posto, ameaçando as atendentes, de que se o seu neto que buscava atendimento na unidade (e estava acompanhado da mãe) não fosse atendido imediatamente, ligaria para seus contatos políticos e elas iriam sofrer represálias. Daí, segundo diversas versões relatadas aos montes em áudios e publicações em redes sociais (temos muitas aqui, caso as autoridades requeiram), surgiu o tal vereador exigindo o atendimento imediato do neto da servidora, em detrimento as demais crianças que lá estavam em busca de atendimento médico também.

 

Áudios afirmam que a criança não estava febril.

De parte a parte há divergência na narração dos fatos.

 

Há muitas perguntas sem respostas, como:

Houve de fato ligação da servidora (avó do bebe) para o posto, ameaçando as servidoras? Tem como comprovar essa ligação?

A pedido de quem o vereador surgiu na unidade de saúde?

Se era emergência, por que a criança não foi encaminhada para atendimento na UPA?

 

Essas e tantas outras perguntas, se supõe, que serão levantadas no processo que se inicia na comissão de ética da Câmara.  Vamos aguardar para ver o relatório, que ao que tudo indica, vai demorar.

 

Por mais amor, menos desamor, e uma cidade que TODOS possam ter o mesmo atendimento, independente de gozar de amizade ou inimizade com quem quer que seja. Amém!

 

Marcos Xavier

Jornalista do Povo

Veja também

Envie sua mensagem, estaremos respondendo assim que possível ; )